Luís Costa nono classificado no encerramento do Mundial



Luís Costa nono classificado no encerramento do Mundial

Luís Costa, nono classificado na prova de fundo de classe H5, foi o melhor elemento da Seleção Nacional no encerramento do Campeonato do Mundo de Paraciclismo, que hoje terminou no Circuito Estoril, Cascais.

O corredor português colocou em prática a tática idealizada: não ir ao choque com os adversários mais fortes da classe, procurando seguir num segundo grupo que lhe permitisse tentar ultrapassar alguns concorrentes que descolassem da frente da corrida.

A prova de 67,2 quilómetros foi animada, inicialmente, por uma fuga do italiano Diego Colombari e do holandês Johan Reekers. Os dois acabaram por não conseguir resistir à perseguição movida pelos quatro mais fortes do pelotão, os holandeses Mitch Valize e Tim de Vries, o francês Loic Vergnaud e o irlandês Gary O'Reilly.

A medalha de ouro foi discutida por este quarteto, com Valize e Vergnaud a destacarem-se dos demais para um emocionante sprint, no qual se impôs o representante dos Países Baixos, que repetiu no Mundial o que conseguira no Europeu da semana passada, a dobradinha contrarrelógio e prova de fundo. Na luta pelo bronze levou a melhor Tim de Vries, que se despediu do estatuto de campeão do mundo.


Mais atrás, o grupo de Luís Costa acabou por não conseguir chegar aos fugitivos iniciais. O português terminaria na nona posição, a 5m12s. “Sei que ainda não estou em condições de arriscar ir ao choque. Vi-me num grupo com mais dois atletas e, como não estávamos a perder muito para a frente, colaborámos para tentar apanhar alguns dos outros atletas. Fico satisfeito, porque estou a evoluir bem e sinto-me muito motivado para o período que me separa de Tóquio”, afirmou Luís Costa.

Hoje estiveram em ação mais quatro portugueses. Rúben Garcia e João Pinto competiram na classe H4, ocupando a 25.ª e a 26.ª posições, respetivamente. Ficaram ambos a uma volta do vencedor, o francês Riadh Tarsim, mais rápido num sprint a cinco, que também levou ao pódio o alemão Vico Merklein, segundo, e o espanhol Luis Miguel García-Marquina, terceiro.

Em H4 também correram dois representantes da Seleção Nacional. Flávio Pacheco foi o 11.º classificado e Carlos Neves terminou na 14.ª posição. Foram ambos dobrados pelo vencedor, o holandês Jetze Plat, que revalidou o título mundial de fundo, juntando esta vitória à do contrarrelógio de sexta-feira. O pódio completou-se com o austríaco Thomas Fruhwirth e com o suíço Fabien Recher.

"Foi o meu primeiro Campeonato do Mundo. Fiz uma boa prova dentro das condições físicas que tenho. Vivo no Luxemburgo, onde a primavera foi muito fria e chuvosa. Em maio só pude treinar na rua três vezes, de resto foi sempre em rolos. Mas não foi por isso que não ganhei", brinca Carlos Neves, que se iniciou no paraciclismo só há três anos. "O 'bichinho' ficou logo cá dentro e agora quero continuar e evoluir", confessa.



No último dia de competição foram atribuídos 14 títulos mundiais. A nação mais vitoriosa neste domingo foi a Itália, com quatro camisolas arco-íris. Seguiram-se os Países Baixos com três. São também estes os países que encabeçam a lista de nações mais vitoriosas em Cascais. Itália somou 13 medalhas de ouro ao longo de toda a competição. Os Países Baixos ficaram-se pelos nove títulos. A terceira seleção com mais triunfos durante o Mundial foi a Grã-Bretanha, com seis subidas ao lugar mais alto do pódio.

Num Campeonato do Mundo em que participaram 39 países, houve 21 levam medalhas na bagagem. “Saio daqui tranquilo, porque cumprimos as expectativas. O único sabor amargo foi na corrida de fundo de classe C2, na qual um descuido tático do Telmo Pinão o impediu de estar na discussão dos primeiros lugares. No geral, foi uma experiência positiva para todos os corredores que aqui estiveram e que merecem os parabéns por estarem a competir entre os melhores do mundo”, resume o selecionador nacional, José Marques.

 

2021-06-13 - 20:14:41

 


 

Voltar