Facebook Youtube IPDJ Comité Olímpico Comité Paralímpico Confederação do Desporto Fundação do Desporto Centro de Alto Rendimento UCI UEC Jogos Santa Casa
Início UVP-FPC Equipa Portugal Estrada BTT BMX Pista Escolas Ciclocrosse Ciclismo para Todos
Filiações 2019
Área do Utilizador
Parceiros Oficiais
Vantagens Filiados
Vantagens Filiados
Calendários
Calendário Nacional FPC
Calendários Regionais
Info. Desportiva
Documentos/Formulários
Formação
Formação
Centros BTT
Documentação
Centros BTT
Regulamentos
Gerais
Estrada
Pista
BTT
BMX
Ciclocrosse
Trial
Escolas de Ciclismo
Ciclismo para Todos
Antidopagem
Arbitragem
Disciplina
Contactos
UVP-FPC
Associações
Organizador Provas
Notícias
 
Maria Martins vítima da estratégia ofensiva da Holanda
Equipa Portugal
A seleção holandesa dominou hoje a prova de fundo feminina do Campeonato do Mundo de Estrada, usando uma estratégia ofensiva que dinamitou o pelotão muito cedo, arredando da corrida grande parte das corredoras, entre as quais Maria Martins.

A viagem de 149,4 quilómetros, entre Bradford e Harrogate, ficou marcada pelas duas subidas antes da entrada no circuito urbano. A primeira, logo ao quilómetro 15,4, em Norwood, permitiu à Holanda fazer um ensaio, partindo o pelotão e deixando para trás muitas corredoras, que não voltariam a recuperar e teriam de abandonar. Foi o caso de Maria Martins, uma das 63 desistentes.

Ao quilómetro 47,8, na subida de Lofthouse, a estratégia ofensiva das holandesas foi mais além. O ritmo forte das primeiras rampas, serviu de lançamento para um ataque poderoso de Annemiek van Vleuten, que se isolou e pedalou em solitário mais de 100 quilómetros, conquistando de forma autoritária a camisola arco-íris.

A nova campeã mundial sucede à compatriota Anna van der Breggen, que, há um ano, impôs-se também com um ataque de muito longe. Desta vez, van der Breggen teve de contentar-se com a medalha de prata, a 2m15s de Annemiek van Vleuten. A terceira foi a australiana Amanda Spratt, a 2m28s.

"Foi uma corrida dura, mais não conseguia fazer, por isso saio de consciência tranquila. Os primeiros 50 quilómetros não me favoreciam em nada e foram cruciais para a corrida!.Infelizmente não tive capacidade para mais. Tenho pena de não poder ter representado melhor a camisola que levei ao peito, mas estou confiante que chegará a minha vez", afirma a corredora portuguesa.
2019-09-28 - 17:17:00
Partilhar Facebook
« Voltar
 
 
Assembleia Geral
Documentos 2 novembro 2019
120 Anos FPC
Ciclismo Vai Escola
Inscrições Online
História do Ciclismo
História do Ciclismo
Marcos Históricos
Palmarés das Corridas Portuguesas
Volta a Portugal
PNED
Lojas Oficiais
Redes Sociais
Site desenvolvido por: Cyclop Net - Desenvolvimento de Sites Profissionais