Facebook Youtube IPDJ Comité Olímpico Comité Paralímpico Confederação do Desporto Fundação do Desporto Centro de Alto Rendimento UCI UEC Jogos Santa Casa
Início UVP-FPC Equipa Portugal Estrada BTT BMX Pista Escolas Ciclocrosse Ciclismo para Todos
Filiações 2019
Área do Utilizador
Parceiros Oficiais
Vantagens Filiados
Vantagens Filiados
Calendários
Calendário Nacional FPC
Calendários Regionais
Info. Desportiva
Documentos/Formulários
Formação
Formação
Centros BTT
Documentação
Centros BTT
Regulamentos
Gerais
Estrada
Pista
BTT
BMX
Ciclocrosse
Trial
Escolas de Ciclismo
Ciclismo para Todos
Antidopagem
Arbitragem
Disciplina
Contactos
UVP-FPC
Associações
Organizador Provas
Notícias
 
Apresentação da 80.ª Volta a Portugal
Estrada
A 80.ª Volta a Portugal Santander, hoje apresentada em Lisboa, vai realizar-se entre 1 e 12 de agosto. Adivinha-se uma edição mais espetacular do que as anteriores, com etapas de montanha duras, mais oportunidades para sprinters e ausência de bonificações, que obrigará os candidatos a ganhar tempo na estrada, com ataques e não esperando pelos segundos das metas volantes e das chegadas.

As mudanças e a necessidade de maior empenhamento na estrada, surgem num ano em que as equipas serão mais pequenas, com sete elementos, o que dificultará a tarefa de controlo da corrida, contribuindo também para incrementar o espectáculo e a incerteza, ingrediente fundamental para prender os adeptos de qualquer acontecimento desportivo.

Como vem sendo hábito, a corrida terá um prólogo – desta vez muito curto, apena 1800 metros -, nove etapas em linha e um contrarrelógio individual a fechar a competição. Pelo meio, há um dia de descanso. As maiores novidades são o regresso ao Algarve, logo na primeira etapa em linha, e um final de etapa na serra da Estrela, na quarta tirada. Ao todo, o pelotão vai percorrer 1578,9 quilómetos.

A festa da Volta arranca em Setúbal, no dia 1 de agosto, com um prólogo de 1,8 quilómetros, a disputar em sistema de contrarrelógio individual. Uma distância tão pequena torna o resultado imprevisível, misturando entre os candidatos homens rápidos e possantes com contrarrelogistas que se adaptem a esforços curtos. Certo é que os favoritos a ganhar a Volta a Portugal não devem temer a perda de demasiado tempo.

As duas primeiras etapas em linhas, as mais longas da corrida, adivinham-se para sprinters. No dia 2 de agosto a caravana sai de Alcácer do Sal para chegar a Albufeira, depois de disputados 191,8 quilómetros. No dia seguinte viagem é de 195,3 quilómetros, desde Beja até Portalegre. Em ambas as jornadas o vento pode assumir forte protagonismo, no atravessamento do Alentejo, embora na primeira etapa a expedição seja pelo litoral, enquanto na segunda é pelo interior, o que poderá adicionar calor tórrido à equação.

A terceira etapa, com o alto patrocínio do Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, é a “Etapa da Vida”, homenageando as pessoas e os territórios atingidos pelos incêndios de 2017. A partida será na Sertã e a chegada em Oliveira do Hospital. Os 175,9 quilómetros atravessam cinco contagens de montanha, uma de segunda, duas de terceira e duas de quarta categoria, constituindo o primeiro desafio orográfico da edição de 2018.

A quarta tirada é uma das etapas-rainhas da 80.ª Volta a Portugal, ligando a Guarda às Penhas da Saúde. A meta coincide com um prémio de montanha de categoria especial (12,3 quilómetros a subir, desde a Covilhã, com uma inclinação média de 7,45 por cento). Antes da subida final, os corredores terão de enfrentar a escalada de categoria especial, de Seia para a Torre (27 quilómetros a 5,21 por cento), e uma subida de terceira categoria (6,4 quilómetros a 4,39 por cento).

Já com a classificação geral certamente muito estratificada, chega a quinta etapa. Prevalecendo a lógica, a viagem de 191,7 quilómetros, entre Sabugal e Viseu, será uma etapa para sprinters ou para fugitivos aos quais o pelotão dê margem suficiente para trocarem as voltas aos homens mais rápidos. É na cidade de Viriato que o pelotão vai beneficiar do dia de descanso e que se realiza a “Etapa da Volta”, prova aberta, que permite a todos os populares entrarem no espírito da Volta a Portugal.

A segunda metade da corrida, com dureza crescente, começa com a sexta etapa, no dia 8 de agosto. É uma ligação de 165,4 quilómetros, entre Sernancelhe e Boticas, que esconde três contagens de montanha de terceira categoria e uma de primeira. A mais dura é uma subida de 5 quilómetros com inclinação média de 8 por cento, cujo ponto mais alto dista apenas 16,6 quilómetros da meta.

A sétima etapa começa em Montalegre e termina, depois de vencidos 165,5 quilómetros, no monte de Santa Luzia, Viana do Castelo. A chegada é simultaneamente um prémio de montanha de terceira categoria, ideal para provocar algumas diferenças de tempo, talvez menos do que no passado, devido à ausência de bonificações.

Braga é o palco para o final da nona etapa, que tem 147,6 quilómetros e começa na vizinha cidade de Barcelos. A passagem pelo Sameiro, a 8,4 quilómetros do final, poderá criar dificuldades, embora nas últimas vezes que foi experimentado este formato tenha prevalecido a força dos sprinters.

A etapa mais aguardada é a nona e penúltima. Pela primeira vez em muitos anos, a Senhora da Graça aparece colocada no final da Volta, tornando-se, assim, mais difícil, pois será abordada por um pelotão já muito desgastado. Espera-se, pois, que provoque diferenças maiores do que vem sendo hábito. Algo que poderá ser potenciado por um percurso com um nível de dureza mais elevado do que nas edições transatas.

A tirada começa e Felgueiras e termina, após 155,2 quilómetros, no cone do Monte Farinha, a popular Senhora da Graça, concelho de Mondim de Basto. Os ciclistas terão de subir três prémios de montanha de primeira categoria nos últimos 60 quilómetros: Alto da Barra (13,3 quilómetros a 5,77 por cento), Barreiro (9,9 quilómetros a 6,5 por cento) e Senhora da Graça (8,3 quilómetros, a 7,65 por cento).

Se subsistirem dúvidas quanto ao vencedor da 80.ª Volta a Portugal Santander, as mesmas serão eliminadas pela última etapa, um contrarrelógio individual de 17,3 quilómetros, com partida e chegada em Fafe.

Equipas
A Volta a Portugal será disputada por 21 equipas, cinco continentais profissionais e 16 de estatuto continental.

Continentais Profissionais
Bélgica: WB Aqua Protect Veranclassic
Espanha: Burgos BH, Caja Rural-Seguros RGA, Euskadi Basque Country-Murias
Israel: Israel Cycling Academy

Continentais
Portugal: Aviludo-Louletano-Uli, Efapel, LA Alumínios, Liberty Seguros-Carglass, Miranda-Mortágua, Rádio Popular-Boavista, Sporting-Tavira, Vito-Feirense-BlackJack, W52-FC Porto
Albânia: Amore & Vita-Prodir
Austrália: St. George Continental Cycling Team
Bélgica: Tarteletto-Isorex
Equador: Team Ecuador
Luxemburgo: Team Differdange Losch
Noruega: Team Coop
Roménia: MSTina Focus

Informação Detalhada: Clique Aqui
2018-06-29 - 13:13:00
Partilhar Facebook
« Voltar
 
 
120 Anos FPC
Ciclismo Vai Escola
Inscrições Online
História do Ciclismo
História do Ciclismo
Marcos Históricos
Palmarés das Corridas Portuguesas
Volta a Portugal
PNED
Lojas Oficiais
Redes Sociais
Site desenvolvido por: Cyclop Net - Desenvolvimento de Sites Profissionais