UCI UEC Comité Olímpico Comité Paralímpico Confederação do Desporto IPDJ Fundação do Desporto Centro de Alto Rendimento Plano Nacional de Ética no Desporto
Início UVP-FPC Equipa Portugal Estrada BTT BMX Pista Escolas Ciclocrosse Ciclismo para Todos
Ciclismo para Todos
Inscrições 2017
Filiações Competição
Filiação Competição 2017
Filiações Comissário
Renovação
Parceiros Oficiais
Vantagens Filiados
Vantagens Filiados 2017
Calendários
Calendário Nacional FPC
Calendários Regionais
Seguros
Info. Desportiva
Documentos/Formulários
Formação
Formação
Centros BTT
Loja Online
Loja Online
Regulamentos
Gerais
Estrada
Pista
BTT
BMX
Ciclocrosse
Trial
Escolas de Ciclismo
Ciclismo para Todos
Antidopagem
Arbitragem
Contactos
UVP-FPC
Associações
Organizador Provas
Notícias
 
Contra a força da W52-FC Porto resistiu Rui Sousa
Estrada
O veterano Rui Sousa (RP-Boavista) ganhou hoje a sexta etapa da Volta a Portugal Santander Totta, uma ligação de 182,7 quilómetros, entre Braga e Fafe, que deixou clara a superioridade da W52-FC Porto, que mantém Raúl Alarcón no comando da geral.

Com força para dar e vender, a W52-FC Porto dinamitou a etapa desde o início, promovendo sucessivos ataques. De uma dessas ofensivas nasceu a fuga do dia, com 16 elementos, entre os quais António Carvalho e Ricardo Mestre (W52-FC Porto), Filipe Cardoso e Rui Sousa (RP-Boavista), Bruno Silva (Efapel), Guillaume Almeida (LA Alumínios-Metalusa BlackJack), Nuno Almeida (Louletano-Hospital de Loulé) ou Jesús Ezquerra (Sporting-Tavira).

A fuga, cuja vantagem se aproximou dos 5 minutos, obrigou o Sporting-Tavira, o Louletano-Hospital de Loulé e a Efapel a controlarem o pelotão, empregando nessa tarefa energia que tanta falta viria a fazer na fase final da tirada para atacar a camisola amarela. Foi, aliás, a W52-FC Porto que endureceu o ritmo na subida do Viso, uma das mais difíceis da Volta, apesar de ter Carvalho e Mestre na dianteira. Com a aceleração, o pelotão principal ficou reduzido a pouco mais de dez unidades, menos do que os homens em fuga.

Com o grupo dos fugitivos já muito curto e com todos os adversários presos por arames, foi o próprio Raúl Alarcón, de amarelo no corpo, a atacar e a pedalar decidido rumo aos homens que resistiam em cabeça de corrida, entre os quais António Carvalho e Ricardo Mestre, incombustíveis, apesar de terem assumido as despesas da fuga desde o início. Tantas munições lançadas pela W52-FC Porto tiveram um efeito colateral: ficou a nu a fragilidade de Gustavo César Veloso, obrigando os restantes homens da W52-FC Porto a tornarem-se menos belicosos, reduzindo a velocidade para reagrupar o grupo dos candidatos, no qual não constavam Alejandro Marque (Sporting-Tavira) e Sérgio Paulinho (Efapel), "descarregados" na subida do Viso. O português, apesar do desgaste da perseguição, ainda reentrou. Mas o galego disse adeus à candidatura à camisola amarela.

Rui Sousa, que vinha da fuga inicial, isolou-se na subida em terra batida da Pedra Sentada, a pouco menos de 20 quilómetros do fim. O quarteto da W52-FC Porto que comandava o grupo principal não reagiu, e Rui Sousa foi galgando terreno rumo à vitória na etapa. O vianense cortou a meta 4 segundos antes do grupo dos favoritos. Neste grupo estiveram melhor Vicente García de Mateos (Louletano-Hospital de Loulé) e Rinaldo Nocentini (Sporting-Tavira), segundo e terceiro na etapa, que bonificaram para encurtar a diferença para Raúl Alarcón.

A demonstração de força da W52-FC Porto fez Alejandro Marque perder 1m22s na meta, mas não conseguiu travar a aproximação dos outros grandes rivais. Rinaldo Nocentini mantém o segundo posto na geral, estando agora a 24 segundos, de Raúl Alarcón. Vicente García de Mateos continua a subir. É quarto classificado, a 34 segundos. Após mais um dia de muito trabalho, Amaro Antunes (W52-FC Porto) segurou o terceiro posto, a 30 segundos.

O poderio da W52-FC Porto, que tem quatro homens nos sete primeiros da geral, está também plasmado na tabela coletiva, que os portistas encimam com 4m33s de vantagem sobre a Efapel. Vicente García de Mateos passou a ser dono da camisola dos pontos, João Matias (LA Alumínios-Metalusa BlackJack) sofreu, mas manteve o comando na classificação da montanha. O campeão da Letónia, Krists Neilands (Israel Cycling Academy), não aguentou a pedalada dos melhores, mas segurou a primeira posições entre os jovens.

Amanhã é dia de descanso, antecedendo a sétima etapa, marcada para sábado. Será mais uma chegada em alto, na Nossa Senhora da Assunção, Santo Tirso, depois de percorridos 161,9 quilómetros, desde Lousada.

Classificação Completa: Clique Aqui
2017-08-10 - 18:48:31
Partilhar Facebook
« Voltar
 
 
FACEBOOK
Jornadas
Inscrições Online
Jornal
Edição Outubro 2015
Edição Fevereiro 2016
Edição Fevereiro 2017
História do Ciclismo
História do Ciclismo
Marcos Históricos
Palmarés das Corridas Portuguesas
Volta a Portugal
PNED
Lojas Oficiais
Redes Sociais
Site desenvolvido por: Cyclop Net - Desenvolvimento de Sites Profissionais